Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Covid-19 > Comitê Emergencial avalia situação no 26º boletim semanal sobre novo coronavírus no Sul da Bahia
Início do conteúdo da página

Comitê Emergencial avalia situação no 26º boletim semanal sobre novo coronavírus no Sul da Bahia

  • Escrito por Heleno Rocha Nazário
  • Publicado: Quarta, 23 de Setembro de 2020, 17h57
  • Última atualização em Quarta, 23 de Setembro de 2020, 17h58
  • Acessos: 514

capa boletim cec 26O Comitê Emergencial de Crise da Pandemia de Covid-19 da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) divulgou a 26ª edição do Boletim do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia nesta quarta-feira (23). O documento abrange dados e análises sobre os desenvolvimentos no período compreendido entre os dias 12 a 18 de setembro no Sul e no Extremo Sul do estado da Bahia.

-->Análise do panorama semanal nos municípios do Sul e Extremo Sul:

Quanto à situação dos dez municípios onde a UFSB tem Unidade Acadêmica (UA) e/ou colégio universitário (CUNI), do total de 292.019 casos e 6.181 óbitos confirmados na Bahia até 18/09, 33.295 casos (10,9%) e 740 óbitos (11,5%) são de residentes nesses municípios , o que corresponde a um incremento de 1.580 casos (5,0%) e 68 óbitos (10,1%) em relação à semana anterior (31.715 casos e 672 óbitos).

No intervalo de 11 a 18/09, Ilhéus (144,8%), Eunápolis (57,7%), Teixeira de Freitas (26,5%), Itamaraju (19,0%) e Nova Viçosa (8,1%) apresentaram variação positiva da incidência (número de casos ocorridos na semana de 12-18/09 maior do que na semana de 05-11/09); os demais apresentaram variação negativa, tendo sido de 11,1% a variação média nos municípios. Merece destaque a redução observada em Santa Cruz de Cabrália (-41,0%), Eunápolis (-27,1%) e Ibicaraí (-25,0%). Se nos guiarmos pela média móvel de 2 semanas, pode-se dizer que permanece a queda na ocorrência de casos de COVID-19.

Quanto ao risco de adoecer por COVID-19, apenas Porto Seguro (1.933,6/100 mil hab.) e Nova Viçosa (1.367,1/100 mil hab.) apresentam Taxa de Ataque (TA) inferior à média estadual (1.963,4 casos/100 mil hab.), enquanto os demais apresentam risco de infecção superior à taxa nacional (2.129,4 casos/100 mil hab.), com destaque para os municípios de Itabuna (5.652,8/100 mil hab.), Ilhéus (3.964,2/100 mil hab.), Ibicaraí (3.319,7/100 mil hab.) e Itamaraju (3.234,8/100 mil hab.).

Quanto ao risco de morrer por COVID-19, Ilhéus (134,3 óbitos/100 mil hab.), Itabuna (119,1 óbitos/100 mil hab.), Ibicaraí (106,0 óbitos/100 mil hab.) e Coaraci (70,6/100 mil hab.) apresentam coeficientes de mortalidade (CM) superiores à taxa nacional (64,3 óbitos/100 mil hab.), enquanto Eunápolis (49,4/100 mil hab.), Teixeira de Freitas (48,0/100 mil hab.) e Itamaraju (41,9/100 mil hab.) apresentam CM inferior à média nacional, mas superior à média estadual (41,6 óbitos/100 mil hab.). Os demais municípios apresentaram risco de morrer inferior à média estadual.

Quanto ao risco de morrer entre os já infectados pela COVID-19, apenas Ilhéus (3,3%) e Ibicaraí (3,2%) apresentaram taxa de letalidade superior à do Brasil (3,0%), enquanto Coaraci (2,4%) e Itabuna (2,1%) apresentaram Taxa de Letalidade superior ou igual à média da Bahia (2,1%), mas inferior à do Brasil em 18/09. Os demais municípios apresentaram taxa de letalidade inferior à média estadual. Destaque para a baixa letalidade observada em Itamaraju (1,3%) e Santa Cruz de Cabrália (1,5%). Trata-se de indicador que permite avaliar a qualidade da assistência, mas que sofre grande influência do perfil demográfico, do acesso oportuno aos serviços de saúde e da cobertura da testagem, que define o denominador

Veja mais detalhes do período observado no boletim.

 

-->Recomendações para a região: 

A despeito da redução observada na ocorrência de novos casos e óbitos no Brasil e na Bahia segundo a média móvel de 2 semanas, observa-se aumento na incidência e da mortalidade no Brasil: média de 14,4 casos/dia/100 mil hab. e de 0,4 mortes/dia/100 mil hab.; e na Bahia: média de 12,0 casos/dia/100 mil hab. e 0,3 óbitos/dia/100 mil hab. – na semana de 12 a 18/09 na comparação com a semana de 05 a 11/09. Nos dez municípios onde a UFSB tem Unidade Acadêmica (UA) e/ou colégio universitário (CUNI), observa-se queda na ocorrência de novos casos, mas aumento do número de óbitos por COVID-19, se nos guiarmos pela média móvel de 2 semanas. Não se pode considerar, portanto, a epidemia sob controle seja qual for o critério, menos exigente (até 5 casos novos/dia/100 mil hab.) ou mais exigente (não mais que 1 caso/dia/100 mil hab.).

Recomenda-se aos governos cautela na flexibilização das medidas de redução de fluxo de pessoas e da oferta de leitos de UTI, e máxima transparência na divulgação das informações relativas à epidemia e à capacidade do SUS de atendimento à população (número de leitos clínicos e de UTI para Covid-19 disponíveis e ocupados). Em verdade, os municípios não têm como controlar a pandemia isoladamente, mesmo adotando políticas responsáveis, pois há ações que precisariam ser regionais, estaduais e interestaduais se quisermos que sejam efetivas.

Recomenda-se aos médicos muita cautela na prescrição da cloroquina ou da hidroxicloroquina, tendo em vista o risco de efeitos colaterais graves (principalmente arritmia cardíaca) se em associação com um macrolídeo (azitromicina).
Recomenda-se a todos os indivíduos a manutenção das medidas de higiene, do auto-isolamento domiciliar e a utilização de máscaras faciais (caseiras) sempre que precisar sair de casa.

 

-->Mapeando Iniciativas de Enfrentamento:

---- Na sexta-feira (25) acontece o sétimo encontro do “Ciclo Internacional Saúde com Arte no Desafio da Pandemia”. As rodas de conversa quinzenais acontecem desde julho e podem ser acompanhadas pelo endereço: https://meet.google.com/wnh-ovba-eoc a partir das 14h. O encontro desta semana terá a participação de Teresa Leite (Universidade Lusíada de Lisboa) e Diogo Marques (UFP; CLP-UC) e das professoras Raquel Siqueira e Susana de Noronha (organizadoras). O evento é resultado da parceria entre o Grupo de Pesquisa Saúde Coletiva, Epistemologias do Sul e Interculturalidades, coordenado pela professora Raquel Siqueira, da UFSB e pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, através da pesquisadora Susana de Noronha.

 

---- O projeto de extensão “Escuta Audiolivres: literatura, corpo e acessibilidade” terá, na próxima sexta-feira (25) live temática “Processos pedagógicos e meios de fruição inclusivos”, com a participação de Rafael Vanazzi (músico, pesquisador e educador da área de inclusão), Valdiria Souza (pesquisadora sobre acessibilidade cultural e comunicacional no teatro) e Lusinete Dantas (estudante da UFSB com deficiência visual). A live será transmitida a partir das 18h nas redes sociais do projeto.

 

--> Orientações para prevenção: 

Nesta edição, a equipe do Observatório destaca informações sobre medidas de biossegurança para lactantes, com medidas para reduzir qualquer risco de contaminação durante a amamentação e mais detalhes sobre os benefícios da alimentação com leite materno para a saúde do bebê e da mãe. Veja mais detalhes sobre as recomendações no boletim

 

Documento relacionado

Boletim nº 26 do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia (23/09/2020)

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página