Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Covid-19 > Publicado o 17º Boletim do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia
Início do conteúdo da página

Publicado o 17º Boletim do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia

  • Escrito por Heleno Rocha Nazário
  • Publicado: Terça, 21 de Julho de 2020, 17h49
  • Última atualização em Terça, 21 de Julho de 2020, 18h06
  • Acessos: 1010

capa boletim cec 17Comitê Emergencial de Crise da Pandemia de Covid-19 divulgou nesta terça-feira (21) a  17ª edição do Boletim do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia, com dados referentes ao período entre 11 e 17 de julho de 2020. O boletim semanal chega um dia após a publicação do Boletim Especial, que apresentou projeções para os municípios do Sul e do Extremo Sul da Bahia. 

A edição atual contém informações atualizadas e análises preparadas pela equipe do Observatório para apoiar os esforços de prevenção e de conscientização no território do Sul e Extremo Sul do estado da Bahia, e apresenta os seguintes destaques:

-->Análise do panorama semanal no mundo, no Brasil e nos municípios do Sul e Extremo Sul: 

A seção apresenta a evolução dos casos notificados, óbitos, em tratamento e curados na região. Por exemplo, no período, do total de 118.657 casos e 2.738 óbitos confirmados na Bahia, 11.849 casos (10,0%) e 249 óbitos (9,1%) são de residentes em municípios onde a UFSB tem unidade acadêmica e/ou colégio universitário, um incremento de 1.825 casos (18,2%) e 37 óbitos (17,5%) em relação ao acumulado da semana anterior (10.024 casos e 212 óbitos). Os municípios de Itabuna (1.836,6 casos/100 mil hab.), Itamaraju (1.325,9 casos/100 mil hab.), Ilhéus (1.288,8 casos/100 mil hab.), Teixeira de Freitas (1.248,7 casos/100 mil hab.), Eunápolis (1.037,2 casos/100 mil hab.) e Ibicaraí (982,1 casos/100 ml hab.) superaram a taxa de incidência nacional (971,0 casos/100 mil hab.), enquanto os demais apresentam risco de infecção inferior à taxa estadual (797,8 casos/100 mil hab.).

 

-->Recomendações para a região: 

A recomendação para os governos inclui adoção de medidas de redução de fluxo de pessoas, ampliação da oferta de leitos de UTI, políticas emergenciais de mitigação dos efeitos sociais da pandemia e máxima transparência na divulgação das informações relativas à epidemia e à capacidade do SUS de atendimento à população (número de leitos clínicos e de UTI para Covid-19 disponíveis e ocupados), cuja falta de transparência impede uma avaliação precisa da oportunidade e adequação das medidas de flexibilização que estão atualmente em curso. Recomenda-se aos médicos muita cautela na prescrição da cloroquina ou da hidroxicloroquina, tendo em vista o risco de efeitos colaterais graves (principalmente arritmia cardíaca) se em associação com um macrolídeo (azitromicina).
Recomenda-se a todos os indivíduos a manutenção das medidas de higiene, do auto-isolamento domiciliar e a utilização de máscaras faciais (caseiras) sempre que precisar sair de casa.

 

-->Mapeamento de iniciativas institucionais:

  • Já estão disponíveis para acesso os áudios informativos sobre o novo coronavírus produzidos pelo grupo Ecoem. Os audiocasts são resultado do projeto “Especial Coronavírus - dúvidas, dicas e informações: o podcast do Grupo Ecoem”, coordenado pelo professor Gilson Vieira Monteiro, do IHAC Campus Paulo Freire. O projeto integra as ações de enfretamento apoiadas pelo Edital Prosis 07/2020. Os áudios podem ser acessados em diferentes plataformas de streaming, como Anchor e Google Podcasts.

 

-->Recomendações de prevenção: 

Nesta edição, a equipe do Observatório aborda as informações sobre a automedicação com o vermífugo ivermectina, explicando os motivos pelos quais o medicamento de uso veterinário não apresenta eficácia e segurança contra o novo coronavírus, com base em estudos divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Conforme o boletim, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA) emitiu uma nota ressaltando que as indicações do medicamento- ivermectina- são aquelas que constam em sua bula, destacando que até o momento não existe um fármaco aprovado para tratamento e prevenção da COVID-19 no Brasil e que qualquer outro uso diferente daquele a que inicialmente se destinam é de responsabilidade do prescritor, desta forma alertando a comunidade para evitar a automedicação e aderir aos protocolos de prevenção.

 

Documento relacionado

Boletim nº 17 do Observatório da Epidemia do Novo Coronavírus no Sul da Bahia (21/07/2020)

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página