Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Covid-19 > UFSB vai equipar os três campi com laboratórios de biologia molecular aptos para análises do novo coronavírus
Início do conteúdo da página

UFSB vai equipar os três campi com laboratórios de biologia molecular aptos para análises do novo coronavírus

  • Escrito por Heleno Rocha Nazário
  • Publicado: Sexta, 15 de Maio de 2020, 14h49
  • Última atualização em Sexta, 15 de Maio de 2020, 19h18
  • Acessos: 2784

Após negociações com o Ministério da Educação, a Universidade Federal do Sul da Bahia recebeu recursos destinados a equipar um Laboratório Institucional de Biologia Molecular com nível 2 de biossegurança (NB 2) em cada um dos três campi (Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas). Em contrapartida aos R$556.350,40 liberados pelo MEC para esse fim, a UFSB vai custear a adequação dos locais. A universidade deve providenciar o empenho dos equipamentos até o dia 20 de maio. Os laboratórios estarão aptos a realizar análises de amostras para detectar a presença do vírus causador da covid-19.

Os três Laboratórios Institucionais de Biologia Molecular serão voltados, prioritariamente, para a pesquisa e equipados para atender a múltiplos usuários e múltiplas unidades acadêmicas, mas, neste primeiro momento poderão ser utilizados para a detecção do SARS-CoV-2 ou novo coronavírus.  A montagem destes laboratórios está alinhada com as políticas institucionais de pesquisa e pós-graduação e serão gerenciados, nesta fase, pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG). A definição consta do artigo 24 do Regimento Geral de Pesquisa e Pós-Graduação da UFSB (Resolução Consuni nº 23/2019), publicado em 2019. 

Segundo o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Rogério Quintella, os laboratórios são o resultado de uma ação ampla com a participação de mais de uma dezena de pesquisadores da área nos três campi. “O recurso agora recebido do MEC soma-se a uma série de investimentos que já haviam sido feitos e a outros, cujas compras estavam em fase final na UFSB.  Inicia-se, agora, também o processo de reforma de espaços, somando, ao todo, mais de um milhão e meio de reais”, completa.

 

Requisitos específicos

Conforme o diretor de Pós-Graduação (DPG/PROPPG/UFSB), professor Fabrício Carvalho, os laboratórios poderão contribuir com análises moleculares para detecção do SARS-CoV-2 utilizando a técnica de RT-PCR (sigla em inglês para reação em cadeia de polimerase em tempo real). "São diversos equipamentos utilizados nas etapas de extração de DNA e RNA (RNA no caso do SARS-CoV-2) e posterior amplificação utilizando a técnica de RT-PCR (chamada também de qPCR). Dentre os equipamentos a serem adquiridos, o que requer maior investimento é o termociclador para realização da RT-PCR, que custará R$ 250.000,00 [duzentos e cinquenta mil reais]. A infraestrutura ficará disponível para auxiliar o sistema de saúde no acompanhamento do andamento da pandemia em nossa região", afirma.

Para que os equipamentos sejam instalados e postos em funcionamento a UFSB precisa reformar os espaços nos campi, explica o professor Fabrício Carvalho. A adequação vai garantir que os laboratórios sigam as normas de biossegurança para trabalho com o SARS-CoV-2: "Atualmente estão sendo realizados os estudos necessários de cada espaço para elencar as intervenções que precisarão ser feitas".

Em face da urgência provocada pelos danos do novo coronavírus, o cuidado na preparação desses laboratórios é essencial. A análise de exames e amostras envolve manipulação do agente biológico, no caso, o vírus covid-19, e para que isso seja feito é essencial que o espaço cumpra as exigências de nível 2 de biossegurança. Conforme proposta institucional de criação desses laboratórios, para atender a esses requisitos é preciso contar com laboratório com características que permitam uma higienização frequente e eficiente com controle de acesso; equipamentos que permitam a contenção, esterilização e manuseio seguro das amostras; e pessoal treinado para trabalhar em ambiente que contenha agente com risco biológico classe 2.

 

Laboratórios multiusuários serão legado valioso 

O pró-reitor Rogério Quintella explica que esses laboratórios são estruturas de enorme utilidade para grupos de pesquisa de toda a UFSB, mesmo após a atual pandemia, abrindo espaço para todos os cientistas da universidade que já utilizam a técnica RT-PCR, tanto nos  laboratórios da universidade (a UFSB já tem dois PCRs) quanto nos laboratórios de instituições parceiras.Conforme ele, o legado das infraestruturas dos laboratórios NB 2 trará grandes contribuições em cada campus. Alguns exemplos das aplicações iniciais:

 

  • No Campus Paulo Freire, o laboratório será valioso na implantação do programa de mestrado recém-aprovado Saúde, Biodiversidade e Ambiente, ao constituir ambiente adequado para pesquisa nas áreas de biotecnologia aplicada à saúde humana e animal, biologia molecular, imunologia, parasitologia e farmacognosia, entre outras.

  • No Campus Sosígenes Costa, diversos grupos poderão se beneficiar do equipamento, particularmente aqueles voltados à biologia molecular nas ciências ambientais - onde já é largamente utilizado.

  • No Campus Jorge Amado as aplicações vão desde questões relacionadas à biotecnologia, fármacos naturais, alimentos até mesmo ao combate à vassoura de bruxa e monilíase na lavoura do cacau.

 

Trabalho conjunto e visão coletiva

O professor Quintella destaca que para a constituição desses laboratórios foi criado um Grupo de Trabalho (GT) formado por ele mesmo, por um docente da área de Biologia de cada campus – professores Fabricio Lopes de Carvalho, Fabrício Berton Zanchi, Sebastião Rodrigo Ferreira e pela diretora de Infraestrutura Lívia Berti Sanjuan Farias. Mas o que mais contribuiu para a rápida evolução dos trabalhos foi o desprendimento e a imensa colaboração de diversos docentes e servidores técnico-administrativos, além daqueles que compõem o GT, como Israel Souza Ribeiro, Lívia Santos Lima Lemos, Hayana Ramos Lima, Gisele Lopes de Oliveira, Luiz Henrique Santos Guimarães, do Campus Paulo Freire; Jannaina Velasques da Costa Pinto e Fernando Mauro Pereira Soares no Campus Jorge Amado; Thiago Mafra Batista, Orlando Ernesto Jorquera Cortes, Juliano Oliveira Santana, Carlos Werner Harckradt e Fabiana Cézar Félix Hackradt no Campus Sosígenes Costa - "estes últimos aceitaram, inclusive, que diversos equipamentos que haviam obtido por meio de projetos individuais, como um PCR-RT, fossem alocados no Laboratório Institucional", explica o gestor.

“Em menor valor financeiro, diversos outros docentes também aceitaram alocar equipamentos oriundos de projetos individuais nos três campi. Este tipo de desprendimento e visão coletiva nos enche de orgulho e nos faz acreditar no futuro da pesquisa na UFSB. Acreditamos que, ao menos, um dos três laboratórios já esteja em condições de fazer análise do novo coronavírus ainda em 2020, e que todos estejam operando no início de 2021”, avalia o pró-reitor Quintella.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página