Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Setembro Amarelo

Publicado: Quinta, 10 de Setembro de 2020, 10h12 | Última atualização em Quinta, 10 de Setembro de 2020, 10h12 | Acessos: 855

setembro amarelo 2

SETEMBRO AMARELO

A campanha Setembro Amarelo teve início no Brasil em 2015 por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O objetivo da campanha é discutir e divulgar estratégias de prevenção do suicídio.

Atualmente, o suicídio e a tentativa de suicídio são considerados problemas de saúde pública. Os estigmas que envolvem o tema dificultam o acesso e a adesão a cuidados de prevenção. Sendo assim, a principal medida preventiva deve ser falar sobre o assunto.

Com as repercussões que reverberam a partir do Setembro Amarelo, alguns mitos e tabus estão sendo, aos poucos, descontruídos. Um maior movimento de compartilhamento de informações ligadas ao tema tem ocorrido, possibilitando que muitas pessoas possam ter acesso a recursos de prevenção. Contudo, para reduzirmos as taxas de suicídio no Brasil é indispensável conhecermos as principais motivações para o ato. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS)2019:

  • São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de um milhão de casos no mundo;
  • Média de 1 morte a cada 45 minutos, com 32 suicídios por dia no Brasil;
  • A cada 40 segundos, uma pessoa morre por suicídio no mundo.
  • 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais, sendo a depressão, a principal causa, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

Tentativas prévias de suicídio e a existência de transtornos psiquiátricos são considerados os dois principais fatores de risco. Além disso, sentimentos de desesperança, desamparo e impulsividade também são sinais que devem ser considerados. Isolamento, distorção de imagem corporal, crises de raiva, baixa autoestima

Devemos ficar atentos quando familiares e/ou amigos próximos passarem a: se isolar, apresentar mudanças marcantes de hábitos, demonstrar desinteresse por atividades que gostava, apresentar piora de desempenho na escola ou no trabalho, ter alterações no sono e no apetite, pronunciar frases como “preferia estar morto” ou “quero desaparecer”.

Falar com responsabilidade sobre o assunto, de forma adequada e alinhada ao que recomendam as autoridades de saúde ainda é desafiador, mas é possível.

Saiba mais sobre o assunto, visite o site oficia da Campanha no Brasil: https://www.setembroamarelo.com/

 

REFERÊNCIAS

COREN-PE. Comissão de Saúde Mental do COFEN debate a campanha Setembro Amarelo.  Disponível em: http://www.coren-pe.gov.br/novo/comissao-de-saude-mental-do-cofen-debate-a-campanha-setembro-amarelo_18506.html. Acesso: 08 set. 2020.

ABP- Associação Brasileira de Psiquiatria. Suicídio: Informando para prevenir. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2014. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index9/?numero=14#page/2. Acesso: 08 set. 2020.

CVV- Centro de Valorização da Vida. Setembro Amarelo: mês de prevenção do suicídio. https://www.cvvorg.br/blog/setembro-amarelo-mes-de-prevencao-do-suicidio/

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página