Estudantes da UFSB apresentam vida e obra de poetisas em sarau na comunidade

29 de janeiro de 2018   //   Por:   //   Notícia - Campus Sosígenes Costa

DSC_1849 (1)No último sábado (27), as estudantes e os estudantes do Colégio Universitário da UFSB em Santa Cruz Cabrália realizaram um sarau no distrito de Santo André em homenagem à vida e à obra de poetisas brasileiras. O evento foi um projeto coletivo de intervenção na comunidade do componente curricular Leitura, Escrita e Sociedade. Participaram mais de sessenta pessoas da comunidade local e da comunidade acadêmica.

Intitulado Versos de Mulheres, o sarau aconteceu no Camping Jambo Sana, às margens do Rio João de Tiba. O cenário está marcado pela preservação da Mata Atlântica e pelo ativismo social e cultural dos seus proprietários. Nelson Zippin é agente comunitário de saúde e Vera Zippin é artesã e poetisa. Durante o sarau, a poesia de Vera foi apresentada pela primeira vez a um público mais amplo.

A organização do evento foi conduzida pelas estudantes e pelos estudantes da turma de 2017.2 do Cuni Cabrália. Articulado em três comissões: produção, alimentação e divulgação, o corpo discente constituiu um coletivo que trabalhou nos últimos dois meses no projeto didático de intervenção sob a orientação do professor Álamo Pimentel.

O tema gerador do sarau foi o empoderamento feminino através da poesia. A vida e obra de poetisas como Edna Constant, Carolina Maria de Jesus, Cora Coralina, Cecília Meireles, Hilda Hilst, Adélia Prado e Vera Zippin foram compartilhadas entre todos os presentes.  

A abertura do evento ocorreu com o recital de uma oração em Patxohã por estudantes da etnia Pataxó. Além de evocarem as presenças dos seus ancestrais para o sarau, as estudantes e os estudantes indígenas narraram para os presentes as suas lutas pela retomada da fala e da escrita de sua própria língua.

Outro momento emocionante do sarau foi a apresentação do poema Sujeito Indeterminado pela própria autora, Vera Zippin. Segundo Vera, o texto foi escrito em plena ditadura militar, nos anos setenta. Além de ser um protesto contra a repressão presente àquela época, o poema permanece atual, um texto contestador da opressão que abafa as vozes e silencia as pessoas que lutam pela democracia.

A realização do evento marca a finalização das atividades do quadrimestre de 2017.3 e afirma o compromisso da UFSB na partilha de práticas e saberes com as comunidades que abrigam os seus Colégios Universitários.

 

  • Informações e fotografias disponibilizados por Álamo Pimentel