Cartaz-Convite

Mesa-redonda abordará o devir negro e a constituição de saberes na Universidade

14 de novembro de 2017   //   Por:   //   Notícia, Notícia - Campus Jorge Amado

A mesa-redonda “Devir Negro e constituição de Saberes na Universidade” vai ocorrer nesta quinta-feira, 16/11, no auditório da Reitoria, Campus Jorge Amado, das 19h às 21h30. O evento integra as celebrações do Novembro Negro, realizado pela Organização Gongombira de Cultura e Cidadania e pela Rede Matamba Tombenci Neto (Ilhéus/BA). Serão emitidos certificados de participação.
A mesa-redonda terá transmissão pela sala virtual [http://webconf2.rnp.br/sala04_cja_ufsb].

Essa atividade também é parte das atividades regulares do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais (PPGER/UFSB), como informa a professora Cynthia Santos Barra, pesquisadora do grupo Lêtera (UFSB/CNPq) e docente do BI/LI Artes, do CF-TCI e do PPGER/UFSB. A professora Cynthia será a mediadora da mesa, e seu texto apresenta a atividade e os convidados:

“Será um momento de discussão e de celebração, em que se encontrarão as turmas dos componentes curriculares Políticas Públicas e Relações Étnico-raciais, Imperialismos e Descolonizações, Ensino e Arte na Diáspora. E, como ato de saber constituinte, estético-político, será um evento aberto a toda comunidade da UFSB e local. A mesa-redonda será composta por Ana Cláudia Cruz e Silva, professora do Departamento de Antropologia da Universidade Federal Fluminense e professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Antropologia da mesma instituição; pesquisadora do Cosmopolíticas Núcleo de Antropologia (UFF/CNPq) e autora do livro “Devir Negro: uma etnografia de encontros e movimentos afroculturais“, pela Editora Papéis Selvagens, 2016; e por Marinho Rodrigues, Tata Kambondo do Terreiro Matamba Tombenci Neto, presidente da Organização Gongombira, fundador da Orquestra Gongombira de Percussão e da Escola de Percussão Afro-brasileira Ngomas, co-fundador do Bloco Afro Dilazenze, percussionista, cantor e compositor, Mestre de Tradição, Artes e Ofícios do Projeto Encontro de Saberes/UFSB.

Celebraremos neste encontro, mesa-redonda, a força do movimento negro e cultural no sul da Bahia; um devir negro epistemológico na universidade; um por vir na universidade que se faz/se fará cada vez mais nossa – mais negra, mais indígena, mais afro-indígena, mais diversa – a cada retomada?”

 

Com informações por Cynthia Santos Barra