DSC00300 (3)

Professora e artista canadense visitou o Campus Jorge Amado

18 de agosto de 2017   //   Por:   //   Notícia

Uma das presenças internacionais do Encontro Brasil-Québec, a artista e professora canadense Joëlle Tremblay visitou o Campus Jorge Amado (Itabuna) na quarta-feira (16). Ela participou da aula no turno noturno da componente curricular Ateliê Arte e Comunidade, ministrada pelo professor Martin Domecq. O primeiro contato da palestrante com a comunidade universitária da Universidade Federal do Sul da Bahia enriqueceu ainda mais o processo de aprendizado dos alunos presentes.

A docente leciona atualmente na Université Laval, no Québec, e é artista há mais de trinta anos. Jöelle se especializou em artes visuais e também adquiriu conhecimento em outras áreas, como a música e o teatro. A professora iniciou a aula com uma breve apresentação de si e um questionamento para os alunos: Por qual razão vocês fazem arte? “Qualquer razão, sem censura” ela ainda acrescentou. A estudante Raísa Rebouças Paiva, que registrou a atividade, conta que, um por um, os alunos se apresentaram e responderam ao questionamento, desenvolvendo diversas respostas: liberdade, emoção, necessidade, rebeldia.  “A pergunta gerou uma reflexão profunda e difícil nos presentes, incluindo os professores que estavam em sala, e cada resposta parecia complementar a outra, nos fazendo lembrar dos tantos motivos para se estudar artes”, destaca Raísa.

Em seguida, Joëlle apresentou um pouco do seu trabalho aos alunos da UFSB. Ela falou sobre alguns de seus projetos artísticos, tais como L’onde et l”ombre (A onda e a sombra), Le Géant (O Gigante), Théâtre de l’Oiseau (Teatro de pássaros). Contou também sobre sua fascinação com pássaros, que pode ser notada de forma muito marcante em grande parte de seus trabalhos artísticos.

Em seus projetos, a artista Joëlle ainda destacou a importância do trabalho em equipe e do conjunto. “É juntos que criamos uma obra. Com as tristezas, os desejos, os medos de cada um. E podemos utilizar de todos os meios”, afirmou. Conforme a aluna Raísa Rebouças Paiva, “a ideia de produção em comunidade incentiva e ajuda no processo de criação e entendimento da arte para os alunos e casa perfeitamente com o componente de Ateliê em Comunidade, do qual ela [Jöelle] participou”.

Joëlle ainda explicou brevemente a teorização de seu processo de criação, trazendo muitas ideias para a turma refletir e absorver. Para concluir a visita, contou Raísa, os alunos se uniram em uma performance musical improvisada, com músicas da cultura brasileira, promovendo um desfecho divertido e interativo para o encontro com a visitante.

 

Com informações e imagens por Raísa Rebouças Paiva