esponja de prato

UFSB inicia coleta de buchas de cozinha para reciclagem

4 de maio de 2017   //   Por:   //   Informativo

A Coordenação de Sustentabilidade da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social deu início à coleta de buchas sintéticas (esponjas) de cozinha. Cada um dos três campi terá seu ponto de coleta identificado pelos recipientes confeccionados pelos integrantes do Ecotime. A coleta está disponível desde o final de abril.

Servidores e estudantes da UFSB dos campi de Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas podem separar as buchas usadas nas suas residências e depositá-las nos coletores da Universidade. Graças a uma iniciativa da empresa Terracycle no âmbito da logística reversa, a partir de uma certa quantidade, as esponjas descartadas serão enviadas à empresa Scotch Brite, responsável por transformar esse resíduo não-degradável em um material com valor de mercado. Participar dessa coleta ajuda a retirar do ambiente um resíduo poluente e a apoiar uma iniciativa empresarial voltada para a reciclagem e o reaproveitamento de materiais.

esponja de prato

Uma bucha sintética demora cerca de 400 anos para se degradar no ambiente. Uma opção mais rápida e ecológica é destiná-la para reciclagem

Com essa iniciativa, a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) amplia seu papel como ponto de coleta de diversos tipos de resíduos recicláveis na região do Sul da Bahia. Além das esponjas usadas, os campi da universidade também recebem descarte de equipamentos e acessórios eletroeletrônicos (nos três campi), de óleo de cozinha usado (em Teixeira de Freitas) e de resíduos secos (em Itabuna). As comunidades universitária e externa das cidades onde há campus da UFSB podem levar os resíduos para depósito junto à instituição, que providencia a entrega dos materiais para empresas especializadas na reciclagem e reaproveitamento de substâncias e objetos poluentes.

Porque reciclar as buchas sintéticas?

As buchas de cozinha fabricadas a partir de petróleo são resíduos não-degradáveis. Isso significa que não são rapidamente absorvidas pelo ambiente – estima-se que esse processo leve mais de 400 anos. Porém, são materiais recicláveis: podem ser reprocessadas e tornadas novamente em algo útil. No caso das buchas, há empresas que as transformam em pallets, que podem ter diversos usos, como a construção de objetos.

Alguns fabricantes indicam o uso e descarte das buchas sintéticas em uma semana. Se essas instruções fossem obedecidas à risca, em cada cozinha se poderia descartar 52 buchas por ano. Se todas as buchas descartadas nessa única cozinha fossem de esponja derivadas do petróleo, em 80 anos se geraria um total de 4.680 buchas que recobririam o espaço aproximado de 30 hectares de lixo não-degradável. É possível imaginar o resultado positivo se metade das residências de seu município adotasse essa prática de reciclagem.

 

BUCHA VEGETAL

As conhecidas buchas vegetais, mais usadas para o banho, podem substituir as versões sintéticas na limpeza da louça, e se decompõem em poucos meses no ambiente.

Qual a alternativa ecológica para lavar a louça?

            Uma opção natural é o uso da bucha vegetal, mais comumente usada no banho. É tão boa quanto a bucha sintética para lavar a louça, vem de uma planta de fácil cultivo e é biodegradável, se transformando em nutriente para o solo em questão de meses. É claro que a bucha vegetal terá de ser trocada quando ficar deteriorada, da mesma maneira que se faz com a bucha sintética.