Foto site

Professor e estudantes participam de eventos internacionais sobre Palinologia e Paleobotânica coorganizados pela UFSB

28 de novembro de 2016   //   Por:   //   Notícias

XIV International Palynological Congress (IPC) e a X International Organisation of Paleobotany Conference (IOPC) ocorreram conjuntamente, em Salvador, com a participação de pesquisadores(as) de 45 países. A UFSB foi uma das instituições coorganizadoras do congresso conjunto, ao lado de outras universidades e entidades científicas nacionais e internacionais. O livro de resumos do evento pode ser acessado gratuitamente clicando AQUI.


O professor Jaílson Novais, representante da UFSB junto à Comissão Organizadora, estudantes e bolsistas de iniciação científica Ágatha Carvalho Pinto e Victor Leon Rocha Araújo, todos do campus Sosígenes Costa, participaram do evento com o apoio da universidade. Ágatha e Victor também atuaram como monitores durante o congresso, integrando uma equipe que contou com mais de 20 estudantes procedentes de diversas universidades baianas. Para Ágatha, o congresso trouxe uma ótima experiência e, por ser internacional, ela pode desenvolver o inglês durante os dias em que trabalhou como monitora, nas conversas com os estrangeiros e nas leituras e interpretações dos trabalhos apresentados.

Enquanto isso, Victor também participou da sessão de pôsteres, apresentando o trabalho “An overview on Melissopalynology in Brazil through researches presented in the Brazilian Botanical Congress”, orientado pelo professor Jaílson Novais. A pesquisa investigou os trabalhos sobre Melissopalinologia – estudo dos grãos de pólen em produtos das abelhas, como o mel – apresentados em edições dos Congressos Nacionais de Botânica. Segundo Victor, o congresso forneceu um vasto leque de informações relacionadas à Palinologia, que contribuíram para a linha de pesquisa na qual ele atua.

Palinologia

A Palinologia – estudo dos grãos de pólen das plantas – e a Paleobotânica – estudo dos vegetais fósseis – são subáreas da Botânica que ainda contam com poucos pesquisadores no Brasil, quando comparadas com outras áreas do conhecimento. Apesar disso, segundo o professor Jaílson Novais, os trabalhos palinológicos e paleobotânicos têm crescido no cenário nacional, subsidiando estudos sobre mudanças paleoclimáticas e dinâmica da vegetação ao longo de milhares de anos, análise da origem botânica de produtos apícolas, prospecção petrolífera, elucidação de crimes (palinologia forense), dentre outros.

Um exemplo do crescente número de pesquisadores envolvidos com tais áreas no país foi a grande audiência na reunião especial promovida durante o XIV IPC – X IOPC pelo Núcleo de Especialistas em Palinologia (Nepal), da Sociedade Botânica do Brasil, grupo coordenado atualmente pelo professor Jaílson Novais. Segundo ele, isso denota a expressividade da comunidade de palinólogos(as) e paleobotânicos(as) brasileiros(as) no cenário internacional.

Próximos Encontros

Em Salvador, os conselhos da International Federation of Palynological Societies (IFPS) e da International Organisation of Palaeobotany (IOP) elegeram a cidade de Praga, na República Tcheca, como sede do XV IPC e da XI IOPC, em 2020. Enquanto isso, a assembleia da Asociación Latinoamericana de Paleobotánica y Palinología (ALPP) elegeu a cidade de Cuiabá (MT) como sede do XIV Simpósio Brasileiro de Paleobotânica e Palinologia, em 2019.