professor Daniel Piotto fala ao microfone; em segundo plano, em pé, o reitor da ufsb, Naomar Almeida Filho

UFSB inaugurou Centro de Formação em Ciências e Tecnologias Agroflorestais

4 de agosto de 2016   //   Por:   //   Notícias

A inauguração do Centro de Formação em Ciências e Tecnologias Agroflorestais (CFCTAf) da UFSB mostrou o resultado da união de esforços, em mais de um sentido. O evento, ocorrido na tarde da quarta-feira (3) na sede da CEPLAC, em Itabuna, reuniu autoridades, representantes de instituições ligadas ao setor cacauicultor e servidores das duas instituições. O Centro de Formação vai preparar profissionais para a atuação no cenário regional de produção agrícola e agroflorestal e desenvolver projetos de pesquisa e de extensão.

A união de forças foi evocada na série de discursos nas menções ao trabalho para a concessão das áreas para as futuras instalações definitivas da UFSB nos territórios de Ilhéus e Itabuna, ao conjunto de especialidades dos pesquisadores e docentes que passam a trabalhar no CFCTAf. O desejo de cooperação também esteve presente nas falas dos produtores rurais e pesquisadores da Ceplac presentes ao evento, e foi evidenciado na exposição dos planos de contribuição da universidade para o desenvolvimento regional.

Após o descerramento da placa, o decano do CFCTAf, professor Daniel Piotto, apresentou as atividades previstas e a equipe de pesquisadores que compõem o centro ao público. São 20 cientistas de diversas áreas do saber que irão trabalhar juntos em projetos de ensino, pesquisa e extensão. As atividades de ensino ligadas ao centro serão as referentes aos cursos de segundo ciclo, ou seja, os cursos profissionalizantes em nível de graduação. Há preparativos de uma proposta de programa de pós-graduação vinculado aos temas de interesse do Centro. As atividades de pesquisa e de extensão vão aproveitar as expertises dos docentes para que “o trabalho da UFSB seja levado para fora dos muros” da instituição, afirmou Piotto.

O reitor, professor Naomar Monteiro de Almeida Filho, prosseguiu a exposição conectando o funcionamento do CFCTAf com o modelo administrativo e pedagógico da universidade. O projeto arquitetônico do bloco pedagógico e da estrutura da UFSB, os ciclos de ensino e o regime letivo quadrimestral foram apresentados ao público. A contribuição econômica da instituição na sua área de abrangência também foi mencionada, além da busca constante por parcerias institucionais produtivas.

Pesquisadores, representantes de instituições ligadas à região e produtores rurais celebraram a inauguração, lembraram episódios da parceria CEPLAC-UFSB, apresentaram ideias e pedidos, reiterando o interesse na consolidação da proposta da universidade, no fortalecimento do setor produtivo cacaueiro e na retomada do desenvolvimento regional. Dentre as presenças, o administrador de empresas Juvenal Maynart, ex-superintendente da CEPLAC, o chefe do Serviço de Planejamento e Projetos Especiais – SEPPE/SUEBA, Antônio César Costa Zugaib, e o prefeito de Ibicaraí e presidente da AMURC, Lenildo Santana.

 

As atividades no CFCTAf

A atuação do CFCTAf enquanto instância de ensino, pesquisa e extensão dentro da UFSB está ligada a algumas das características da região Sul da Bahia: a aptidão para a produção no setor primário, condições de solo, relevo e clima favoráveis, a grande diversidade de espécies e a produção agrícola diversificada. No entanto, os sistemas locais podem ser melhorados em termos de produtividade, e uma das necessidades para atender a demanda é a formação de profissionais qualificados e o aprimoramento das tecnologias empregadas na atividade econômica.

Após os três anos de estudo no Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia, os alunos poderão se candidatar, via edital interno, a um dos cursos de segundo ciclo do CFCTAf: Engenharia Florestal e Engenharia Agrícola e Ambiental. Ambos os cursos terão a duração de dois anos e oferta anual de 40 vagas. Enquanto o curso de Engenharia Florestal tratará de sistemas de produção florestal diversificados, tecnologia de produtos florestais e áreas protegidas e conservação da natureza, a Engenharia Agrícola e Ambiental tratará de produção e tecnologia de alimentos, tecnificação rural e saneamento e meio ambiente rural. 

As linhas de pesquisa propostas para o futuro programa de pós-graduação do Centro de Formação se relacionam com produção vegetal, produção animal, sistemas agroflorestais, biotecnologia e microbiologia, fitopatologia e controle biológico, botânica, tecnologia de produtos florestais, manejo de bacias hidrográficas e conservação e restauração da natureza.

O Centro de Formação em Ciências e Tecnologias Agroflorestais também deve atuar em projetos derivados de cooperação técnica com outras instituições públicas.