silvia aparece em primeiro plano, de costas para a câmera e segurando um microfone. ela fala para o público que aparece sentado no auditório, de frente para ela.

Reitoria apresenta projetos do Bloco Pedagógico e da reforma para CFCAt a alunos e servidores

18 de abril de 2016   //   Por:   //   Notícias

Servidores e alunos da UFSB e pesquisadores da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) puderam conhecer detalhes atualizados das obras em andamento no terreno definitivo do Campus Jorge Amado, em reunião realizada na manhã desta segunda-feira (18). A construção do bloco pedagógico e a reforma de parte do espaço do Centro de Pesquisas do Cacau (CEPEC) para instalação da estrutura inicial do Centro de Formação em Ciências Agroflorestais foram expostas pela arquiteta e professora Sílvia Kimo Costa e pelo reitor, professor Naomar Monteiro de Almeida Filho.

Primeiro prédio definitivo

A exposição iniciou com o detalhamento dos principais aspectos diferenciais do projeto arquitetônico do prédio para o bloco pedagógico do Campus Jorge Amado. Serão 23 salas de aula, seis laboratórios multifuncionais, seis sanitários convencionais e sete sanitários adaptados para pessoas com deficiência, uma sala para o setor administrativo, uma copa, um depósito e seis salas para áreas técnicas.

Sílvia explicou que a construção segue na totalidade as indicações da NBR 9050, que versa sobre a acessibilidade de prédios e estruturas de uso público. Assim, além dos sete banheiros adaptados, o bloco pedagógico contará com três formas de acesso aos três pavimentos: rampas, elevadores e escadas, contemplando ainda todos os ajustes recomendados para facilitar o trânsito do público com deficiência pelo edifício.

O desenho pentagonal das salas de aula, por sua vez, rompe com o padrão vigente ao incluir mais paredes para projeção e exposição de informações. Outros efeitos obtidos serão a melhora da qualidade acústica e da geração de imagens para a dimensão metapresencial do ensino.

silvia aparece em primeiro plano, de costas para a câmera e segurando um microfone. ela fala para o público que aparece sentado no auditório, de frente para ela.

A professora e arquiteta Sílvia Kimo Costa expõe os conceitos e características do projeto arquitetônico do Bloco Pedagógico

 

O pentágono do Cairo é a uma forte inspiração para o layout e replica-se nas salas de aula, no desenho do prédio. É um desenho que cria um ambiente inovador, diferente das salas retangulares, e que facilita a aplicação de técnicas úteis para aumentar o grau de sustentabilidade do edifício. Por exemplo, há amplo espaço de ventilação cruzada, o que deve gerar economia no uso de equipamentos de ar condicionado, que estão previstos no projeto. O intuito é obter o conforto necessário para o trabalho pedagógico mantendo o uso responsável de recursos.

Além do prédio, será feita nessa fase a área de acesso ao bloco pedagógico. A arquiteta expôs ainda que está em previsão um estudo para aproveitar a cobertura do edifício. Dentre as possibilidades estão a geração de eletricidade a partir da energia solar e um espaço de convivência.

 

o reitor naomar almeida segura o microfone e sorri enquanto explica aspectos da obra do bloco pedagógico. Ele usa camisa de manga curta clara e está em pé, gesticulando com a mão esquerda.

Reitor Naomar: diferenciais do projeto seguem princípios de inovação e sustentabilidade

O espaço já foi nivelado e lotado, de modo a delimitar a área para construção das fundações, próxima etapa da construção. O nivelamento foi necessário para que o prédio não tenha problemas de alagamento e infiltração, informou Sílvia.

O projeto teve o trabalho de conceito e partido arquitetônico desenvolvido pela professora Sílvia Kimo Costa, enquanto o desenvolvimento do projeto e dos projetos complementares coube à equipe técnica da Diretoria de Infraestrutura da Pró-Reitoria de Planejamento e Administração (DINFRA/PROPA).

Após essa primeira exposição, a plateia pôde sanar dúvidas sobre detalhes do projeto e possibilidades de estruturas e serviços. O reitor e a professora Sílvia responderam às questões que envolveram, dentre outros temas, os espaços laboratoriais e experimentais, disponibilidade de recursos, projeções de conclusão da obra e serviços diversos.

Centro de Formação prestes a receber estrutura inicial

A segunda parte da exposição foi dedicada a relatar o procedimento de reforma de parte da área do CEPEC, projeto desenvolvido pela equipe da DINFRA/PROPA. A intervenção no local é apenas para remodelação dos espaços e não altera a arquitetura existente, afirmou Sílvia. O espaço deverá conter a sala para a decania, sala operacional, salas de atendimento, banheiros com adaptação para pessoas com deficiência, sala de ciências agroflorestais, apoio administrativo e arquivo.

A reforma serve para adequar o ambiente para a estrutura inicial do Centro de Formação em Ciências Agrárias e Agroflorestais. A delimitação exposta na projeção foi em seguida conferida no ambiente físico pelos participantes da reunião.

Logo após, o reitor Naomar convidou todas as pessoas para conhecerem de perto o canteiro de obras do bloco pedagógico. Em meio à equipe de trabalho da construtora, os participantes puderam conferir a localização do espaço no qual será erigido o Bloco Pedagógico.